Lançamento da nova escavadeira florestal da JCB

ago - 07
2020
jcb florestal

Lançamento da nova escavadeira florestal da JCB

A JCB realizou uma entrevista coletiva virtual esta semana para anunciar o lançamento de sua escavadeira adaptada para o segmento florestal.

O lançamento da escavadeira JS220F, visa o mercado florestal que está em franco crescimento no agronegócio. Esta máquina é uma evolução do modelo JS220LC (de construção) para o segmento florestal. Entre os principais aprimoramentos, está o fato de que a máquina estar projetada para trabalhar as 24 horas do dia, sem interrupções.

Para conseguir isto, a máquina recebeu um tanque extra de combustível, o que aumentou a carga total de diesel para 590 litros. Além disso, o modelo conta com um jogo de luzes LED adicionais, novos filtros e radiadores mais potentes, reforço estrutural na cabine, no chassi, sobre o capô e sob o trem de força. Tudo para aguentar a severidade típica do ambiente de corte de árvores no setor de extração florestal.

O braço da escavadeira vem preparado para receber implementos de corte de árvores de qualquer marca. A JCB também dispôs que o LiveLink, sua telemetria para equipamentos pesados, estará presente na escavadeira florestal JS220F.

Outra novidade é o pacote de proteções em toda a máquina. A cabine foi reforçada com policarbonato balístico de 19 mm de espessura na frente e 9 mm no restante e a gaiola de aço que cobre a cabine garante altos níveis de proteção contra a queda de objetos.

Já o chassi inferior recebeu estrutura de proteção interna e externa ao longo dos roletes inferiores para eliminar o risco de desalinhamento, enquanto esteira recebeu sapatas de garras duplas de alta penetração com 600 mm para garantir melhor tração.

“O mercado florestal brasileiro tem passado por avanços significativos em relação aos sistemas de colheita de madeira, inclusive substituindo moderadamente os sistemas manual e semimecanizado de colheita, por um modelo mecanizado”, diz Etelson Hauck, gerente de produtos da JCB. “Em um cenário florestal de tendência de mecanização das atividades de colheita, com a evolução do volume de colheita nos próximos quatro anos, considerando as expansões já anunciadas, esse crescimento deverá girar em torno de 10%”, completa.

A movimentação do mercado é confirmada por dados da Industria Brasileira de Árvores (IBÁ). Segundo a entidade, o país deve receber até 2023 um investimento de R$ 32,9 bilhões em projetos que visam o aumento dos plantios, ampliação de fábricas e novas unidades. Atualmente são 7,83 milhões de hectares de árvores plantadas (eucalipto, pinus e demais espécies) que abastecem mercados como o da celulose e papel, siderurgia e carvão vegetal e de painéis de madeira e pisos laminados. Somente em 2018, a indústria registrou um superávit de US$ 11,4 bilhões, o que significa avanço de 26% em relação ao ano anterior. “O cliente florestal é exigente e demanda alta produtividade, com uma necessidade de operar 24 horas nos sete dias da semana”, adianta Hauck. “Esse é um projeto específico para a colheita de toras curtas, que representa 66% do mercado. E como há predomínio de harvesters, em comparação com as demais máquinas, nossa escavadeira conta com uma preparação de fábrica para receber qualquer marca de cabeçote harvester, com linhas hidráulicas de alto fluxo e conexões de engate rápido”, diz. Os executivos da JCB Brasil estão otimistas com relação ao segmento florestal do país. Embora a pandemia tenha provocado problemas em toda a economia, o setor e máquinas de construção não deixará de crescer este ano.

Fale com o Whatsapp